Artigos

O conceito de arquitetura organicista de Frank Lloyd Wright resiste ao tempo

Construções que influenciam diretamente a vida de quem nelas habitam ou trabalham. Esse é o eixo central da arquitetura orgânica ou organicista, da escola moderna, influenciada pelas ideias do americano Frank Lloyd Wright. Para ele, as casas deveriam atender às necessidades das pessoas como um organismo vivo e respeitando a natureza, um conceito que influenciou arquitetos em todo o mundo no início do século XX e que continua atual.

''Suas obras utilizavam materiais naturais e ele se preocupava com os detalhes na forma e nos espaços'', explica a Profa. Ana Tagliari, do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Nove de Julho (UNINOVE), que desenvolveu a pesquisa de mestrado ''Os princípios orgânicos da obra de Frank Lloyd Wright: uma abordagem gráfica de exemplares residenciais'' e recebeu o prêmio Franklin Delano Roosevelt de Ciências Sociais 2009, da Embaixada dos Estados Unidos, na categoria Melhor Dissertação de Mestrado.

Na década de 1940, o arquiteto brasileiro João Batista Vilanova Artigas projetou alguns edifícios com influência de Wright na cidade de São Paulo. Sua obra mais conhecida com essa inspiração foi a Residência Rio Branco Paranhos, construída em 1943, no bairro do Pacaembu. Além dele, Galiano Ciampaglia, Rino Levi, Eduardo de Almeida, Mauro Munhoz e Miguel Forte, também foram influenciados pelo arquiteto americano.

A herança artística de Wright inclui por volta de 1.000 projetos, entre construídos e escritos, que influenciaram gerações de arquitetos e de artistas no Brasil e no mundo. Apesar disso, há poucas pesquisas sobre ele no País. ''Com este material em língua portuguesa e disponível ao acesso público pela internet, acreditamos criar condições para que se estabeleçam conexões, análises, comparações e pesquisas entre a obra de Wright e a arquitetura e a cultura no Brasil'', avalia a pesquisadora.

Grande parte da obra residencial de Wright é baseada numa metodologia de projeto a partir da idéia de pré-fabricação e modulados, que tornam a construção mais acessível, sem abrir mão da beleza. Além disso, são perfeitamente adaptáveis à realidade brasileira. ''A Arquitetura Orgânica não tem prazo de validade e nem faz parte de um pensamento ultrapassado, é contemporânea e está em sintonia com as preocupações atuais. O respeito à natureza e a economia de materiais são, sem dúvida, aspectos que devem ser cada vez mais valorizados pela arquitetura mundial'', conclui.

Fonte: CASA DA NOTÍCIA