Notícias

Projeto corporativo: conceitos e normas

Profissionais da arquitetura falam sobre as normas exigidas pelo Ministério do Trabalho e pelo Corpo de Bombeiros em projetos comerciais e corporativos

É muito importante estar atento às normas para se criar espaços corporativos e comerciais que precisam aliar a estética do projeto às regras de segurança, acessibilidade e funcionalidade para obter ambientes atrativos e dentro das requisições exigidas pelo Ministério do Trabalho e, também, pelo Corpo de Bombeiros.

De acordo com a arquiteta Estela Netto, todas as legislações referentes aos projetos corporativos dependem de cada tipo de empresa: “Depende dos serviços e produtos que ela oferece. A legislação que incide sobre uma clínica médica é diferente da que incide sobre um escritório de advocacia ou uma fábrica de salgados”, exemplifica.

Para o arquiteto Junior Piacesi, ao criar projetos corporativos é importante estar atento às normas de acessibilidade, em primeiro lugar. “Uma norma que a gente sempre consulta aqui no escritório é a NBR 9050 de 2004, que é uma norma que fala sobre o acesso. Temos que pensar no acesso universal, pensar na acessibilidade não só à edificação, mas também na circulação interna das pessoas. As rotas de fuga, por exemplo. Existe uma fiscalização, a AVCB, que é o auto de vistoria do Corpo de Bombeiros, que acontece a cada três anos em edificações comerciais. É preciso adequar o projeto e trabalhar dentro desse AVCB ”, ressalta.

Outros fatores a serem estudados pelos profissionais são a iluminação, ventilação e acústica do ambiente. Pontos importantes para a criação de um espaço funcional e agradável para comportar os funcionários que precisam de um ambiente adequado para trabalhar. “A maioria das empresas hoje trabalha com o conceito open space, onde todo mundo vê todo mundo trabalhando dentro de um espaço completamente integrado. Porém, quando você coloca várias pessoas no mesmo espaço, precisa trabalhar a acústica, pois elas estão falando, gerando ruído. Tem que pensar na absorção desse som. Precisa, também, pensar no fator clima, pois várias pessoas geram calor e, com a temperatura aumentando cada vez mais, é necessário que os funcionários tenham uma ventilação adequada no ambiente para produzirem melhor. São condições de trabalho”, explica Piacesi.

A arquiteta Estela Netto lembra ainda que o projeto arquitetônico ajuda a criar a identidade da empresa. “É muito importante entender o conjunto de valores daquela empresa e transformá-lo em proposta arquitetônica. A arquitetura precisa comunicar quem a empresa é, no que ela acredita e como ela quer comunicar isso aos seus clientes e colaboradores. A legislação não limita muito, basta estudá-la de maneira que ao criar o projeto as normas estejam incorporadas à forma de pensar e às soluções criativas do arquiteto”.

Piacesi concorda que é fundamental entender o conceito da empresa e compreender a sua atividade fim, buscando entender a lógica do espaço e colocar a segurança das pessoas sempre em primeiro lugar. “Quando se trata de um projeto corporativo, o seu desafio de surpreender é maior, pois você tem mais equações a serem solucionadas”, finaliza.

Foto: Daniel Mansur

Neste projeto desenvolvido pela arquiteta Estela Netto para a holding Máquina de Vendas toda a grandiosidade da empresa foi trabalhada em cada detalhe do projeto


Foto: Gustavo Xavier

Segundo o arquiteto Júnior Piacesi, a maioria das empresas trabalham hoje com o conceito open space que exigem um projeto bem feito de acústica e climático

Fonte: MÃO DUPLA COMUNICAÇÃO